Sede e Casa da Cultura

Como complemento do Museu Etnográfico da Alta Estremadura e espaço reservado a manifestações culturais de vários níveis, o Rancho Rosas do Lena recuperou e adaptou um velho palheiro onde instalou o primeiro arquivo e a primeira biblioteca etnográficos da região, exposições permanentes em que sobressaem uma maqueta do Mosteiro de Santa Maria da Vitória elaborada por Carlos Seiça, um quadro da pintora Irene Gomes, uma mesa setecentista e diversas gravuras e fotografias, e criou um pequeno auditório e uma taberna típica. Através dos documentos expostos conta-se a vida do agrupamento desde o seu aparecimento em Fevereiro de 1963 e revelam-se aspectos importantes das actividades que tem, sempre com espírito pioneiro.

Separada por uma eira e um pequeno terreiro, situa-se, a curta distância, a sede concluída em 2005. Com dois pisos, alberga a sala dos ensaios e espaços para espectáculos, refeições e camaratas destinadas à hospedagem de grupos folclóricos portugueses e estrangeiros por altura dos festivais. Completam o edifício, que obedece à traça regional, a cozinha, balneários e arrecadações.

Atrás da Casa da Cultura, na sua parte oeste, há um vasto espaço empedrado segundo a tradição regional, cercado de alpendres e telheiros e doutros cómodos. Num dos lados, um poço com nora. Nesta verdadeira praça de aldeia realizam-se algumas manifestações de ar livre do agrupamento.

Com estes novos edifícios, o agrupamento passou a dispor de três prédios urbanos, para fins culturais e sociais em cumprimento dos seus objectivos que visam beneficiar não apenas os seus componentes, mas a população local e regional, mas privilegiando sempre a sua função principal de investigar, recolher e cultivar os aspectos distintivos da cultura popular e defender os fundamentos da identidade do Povo Português, sobretudo no que concerne à Música, ao Idioma e aos outros valores que a caracterizam.